Bancada do MA vota pela punição a juízes e MP por abuso de autoridade - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Rogério Alves: Especialista em WhatSapp

Rogério Alves, advogado -  Em tempos de Google para tudo e WhatsApp como meio de informação (o fuxico virou notícia) todo mundo virou es...

Portal da Poesia


Portal da Poesia Sem fim

Antes o amor me brindava em cores
Uma
Duas
Três noites de amores
Tom e dom de dissabores
Glória e rito sem valores
Noites
Dias
Um tempo sem fim

Havia
Então
O dia em que vivia
O tempo
A regra
Uma agonia
Valores
Cores do sem fim

Antes
Ontem
Nem te via
Hoje guias
Meu rumo e meu destino
Reclino
Declino e me afasto
Faço lastro
Na riqueza do sem fim

Enfim
no fim te vejo
Te beijo
Te amo
E te desejo
Revejo
Planejo viver contigo
apenas
Um longo dia sem fim.

Abel Carvalho

Bancada do MA vota pela punição a juízes e MP por abuso de autoridade

Share This
por 

emenda
A bancada federal do Maranhão votou em peso pela aprovação da emenda do deputado federal Weverton Rocha (PDT) que acrescentou ao pacote de 12 medidas anticorrupção a previsão de punição por crimes de abuso de autoridade cometidos por magistrados e membros do Ministério Público (saiba mais) – a proposta inicial era de crime de responsabilidade.
Dos 14 deputados federais maranhenses que registraram presença em plenário, somente 13 votaram – Rubens Júnior (PCdoB) registrou presença, mas não estava no plenário, segundo o sistema de acompanhamento de votações da Câmara.
Hildo Rocha (PMDB) e Eliziane Gama (PPS) manifestaram-se contra a emenda do pedetista.
Votaram a favor, além do próprio Weverton, os deputados Alberto Filho (PMDB), Aluisio Mendes (PTN), André Fufuca (PP), Cléber Verde (PRB), João Marcelo (PMDB), José Reinaldo (PSB), Júnior Marreca (PEN), Juscelino Filho (DEM), Pedro Fernandes (PTB) e Waldir Maranhão (PP)
A emenda – aprovada com 313 votos a favor e apenas 132 contra – prevê a responsabilização de juízes, promotores e procuradores por “atuação político partidária”. Pelo texto referendado em plenário, magistrados podem ser processados se opinarem sobre processo em julgamento.
No caso do MP, a proposta estipula que haverá crime em procedimento “sem indícios mínimos da prática de algum delito” e a manifestação de opinião, por qualquer meio de comunicação, sobre processo pendente de atuação do Ministério Público ou juízo depreciativo sobre manifestações funcionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad