Matéria do dia

Lourival Souza: Tristeza recorrente

Mais uma semana marcada pelo registro de grave acidente que ceifa vidas e causa comoção na sociedade. O fato novamente acontece: um ve...

Publicidade

Temer não acredita que Trump vá prejudicar o Brasil


Marcos Rogério Lopes

O presidente da República, Michel Temer© image/jpeg O presidente da República, Michel Temer
O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, que não acredita que o recém-eleito à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, criará qualquer dificuldade para o Brasil. “Vamos aguardar as manifestações quando ele assumir o governo. Eu diferencio a posição do candidato Trump com o presidente eleito. Vimos o último discurso dele e foi um discurso de muita moderação”, avaliou.
Para Temer, as instituições americanas não devem permitir abusos de autoridade do Trump. “ Isso não vai acontecer nos eua, que tem uma série de instituições que nã vão permitir isso. E, no nosso caso, duvido que ele faça algo para afastar o Brasil.”
Temer ressaltou que não tem e não precisa ter bom relacionamento pessoal com Trump. “ Quem tem uma combinação boa é o  Estado brasileiro com os Estados Unidos da América, nossa relação é institucional, não é de natureza pessoal.”
Durante a entrevista, o presidente afirmou ainda que está satisfeito com o ritmo que vem tendo seu governo. “E satisfeito também com a aprovação da PEC dos Gastos, era essencial conter os gastos.”
Temer garantiu ainda que não está nos planos do governo a criação de novos impostos. “Há pouco tempo atrás, falava-se muito na excessiva carga tributária do país. Nós tomamos o cuidado de deixar claro que só se pode gastar o que se arrecada. Então, nós não queremos pensar em novos tributos.” De qualquer forma, acha que é preciso uma reavaliação da forma que se arrecada no país: “É preciso uma reformulação tributária no país, quem sabe até uma simplificação”, disse, sem dar detalhes.
Na entrevista, o presidente voltou a afirmar que a reforma da Previdência está prestes a ser enviada ao Congresso. “Ela já está formatada e seguramente vai este ano, seguramente, para votação.”