Matéria do dia

Deputado Carlinhos Florêncio promove visita aos alunos do Programa Negócio Certo Rural no povoado Bom Jesus

O deputado Carlinhos Florêncio com o filho Florêncio Neto, vice-prefeito de Bacabal, acompanhado de vereadores e secretários no povoado B...

Publicidade

Renan contradiz Temer e reafirma que Cunha influencia governo


João Pedroso de Campos

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente Michel Temer© image/jpeg O presidente Michel Temer
O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), voltou a afirmar nesta sexta-feira que o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde outubro em Curitiba pela Operação Lava Jato, tem influência no governo do presidente Michel Temer. Em entrevista veiculada no Jornal Nacional, da TV Globo, o senador disse temer que a ingerência de Cunha “se amplie e se exerça no dia a dia, sem que o próprio presidente da República tenha a percepção do que é que está acontecendo”.
“Esse grupo originário que tem como líder e chefe o Eduardo Cunha, que as pessoas vão a Curitiba para saber o que ele orienta, o que ele recomenda, o governo não pode ficar exposto a isso. Não pode ficar exposto a isso, e o PMDB não concordará que o governo continue a ser influenciado por Eduardo Cunha”, continuou Renan.
A declaração do senador alagoano foi veiculada pouco depois de Temer dizer, em entrevista ao jornalista Jorge Bastos Moreno, da rádio CBN, que “absolutamente não existe [influência de Cunha]. Com o senador Renan eu tenho dialogado permanentemente. Evidentemente, essas afirmações não têm sustentação. Imagine se o Eduardo Cunha que está, enfim, distante, pode influenciar alguma coisa aqui. Não há influência nenhuma”.
O peemedebista está descontente com as nomeações do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para a liderança do governo na Câmara, a do deputado André Moura (PSC-SE) para líder do governo no Congresso, em substituição ao senador Romero Jucá (PMDB-RR), a escolha do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) para o Ministério da Justiça e aos rumores sobre a possibilidade de o subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, assumir o lugar do ministro Eliseu Padilha, o “Primo” das planilhas da Odebrecht, licenciado por motivos de saúde.
Ribeiro e Moura eram soldados da tropa de choque de Eduardo Cunha enquanto ele era o todo-poderoso presidente da Câmara. Serraglio, o atual ministro da Justiça, foi acusado por adversários de Cunha de promover manobras na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, da qual era presidente, para tentar salvar o mandato do ex-deputado. Já Rocha foi advogado de Eduardo Cunha.
Esse grupo originário que tem como líder e chefe o Eduardo Cunha, que as pessoas vão a Curitiba para saber o que ele orienta, o que ele recomenda, o governo não pode ficar exposto a isso. Não pode ficar exposto a isso, e o PMDB não concordará que o governo continue a ser influenciado por Eduardo Cunha
Renan Calheiros, líder do PMDB no Senado