Matéria do dia

Deputado Carlinhos Florêncio promove visita aos alunos do Programa Negócio Certo Rural no povoado Bom Jesus

O deputado Carlinhos Florêncio com o filho Florêncio Neto, vice-prefeito de Bacabal, acompanhado de vereadores e secretários no povoado B...

Publicidade

João Alberto e a explicação sobre uma mala de R$ 30 milhões

Por John Cutrim


Em entrevista à revista Veja, o senador João Alberto Souza (PMDB-MA) revelou que já retirou 100.000 reais em uma mala de um banco durante a eleição. A declaração foi dado no contexto de uma pergunta sobre a delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado o qual afirmou ter pago R$ 30 milhões de propina ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

“O cidadão diz que deu 30 milhões de reais para um senador, como há um caso [O delator Sérgio Machado afirma que pagou esse valor para Renan Calheiros]. Nessa minha mala aqui cabem 100.000 reais [afirma, colocando uma mala de couro sobre a mesa]. Eu já tirei do banco esse valor, na época da eleição, e botei nela. Trinta milhões representam 300 dessas”, declarou.

Em depoimentos da delação premiada, Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, disse que distribuiu mais de R$ 70 milhões em propina de contratos da estatal para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Romero Jucá (PMDB-RR), e o ex-senador José Sarney (PMDB-AP), entre outros líderes do PMDB. Segundo Machado, o valor mais expressivo, de R$ 30 milhões, foi destinado a Renan, o principal responsável pela indicação dele para a presidência da Transpetro, subsidiária da Petrobras e maior empresa de transporte de combustível do país. Machado disse ainda que repassou aproximadamente R$ 20 milhões para Sarney durante o período que esteve à frente da estatal. Romero Jucá, que ficou uma semana como ministro do Planejamento do governo Michel Temer, também recebeu aproximadamente R$ 20 milhões.

Ainda durante entrevista à revista Veja, João Alberto defendeu anistia ao caixa dois. Ele propõe punições brandas para quem se meteu com caixa dois. Para o senador, que aos 82 anos foi eleito para presidir pela sexta vez o Conselho de Ética do Senado, a devolução do dinheiro irregular já bastaria para livrar os políticos de qualquer embaraço judicial. “Se aquilo foi gasto com eleição, tem de ser anistiado. Nós não podemos colocar tudo num saco só”, afirmou.

Em mais de 45 anos de vida pública, João Alberto é mais conhecido pela fidelidade ao presidente da Casa, José Sarney, e pela frase que cunhou quando foi governador do Estado, no começo dos anos 90. À época, ele disse fazer um governo “90% honesto”.

Confira a íntegra da entrevista AQUI