Matéria do dia

Vereador Reginaldo do Posto solicita vistoria do Corpo de Bombeiros nos prédios das escolas da rede municipal de Ensino

O vereador Reginaldo do Posto (PRP) solicitou, através de Indicação que tramitou na última sessão ordinária da câmara municipal de Baca...

Publicidade

TSE confirma registro de candidato eleito prefeito de Vargem (SP)



O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, na sessão de abertura do segundo semestre forense nesta terça-feira (1), o registro de candidatura de Silas Marques da Rosa (PSD), eleito prefeito de Vargem, em São Paulo. Por maioria de votos, os ministros negaram o recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE) e consideram que Silas Marques não exerce um terceiro mandato consecutivo como prefeito, o que a Constituição Federal proíbe. A Constituição permite apenas uma reeleição para cargos majoritários do Poder Executivo.

Silas Marques conseguiu 2.805 votos em outubro, o equivalente a 58,33% dos votos obtidos pelos candidatos a prefeito. O recurso contra o candidato foi ajuizado pelo Ministério Público Eleitoral e coligação adversária.

Ao apresentar seu voto-vista na sessão, o ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto divergiu do voto do relator do processo, ministro Admar Gonzaga, e deferiu o registro de candidatura de Silas Marques. O relator julgou, ao acolher o recurso do MPE, que “houve manobras políticas para perpetuar o clã do candidato na chefia da prefeitura”.

O ministro Tarcisio Vieira informou que Silas Marques ocupou, na condição de presidente da Câmara de Vereadores, interinamente o cargo. Posteriormente, apesar de ter ganho a eleição suplementar para prefeito, o candidato ficou pouco tempo no mandato, porque o pleito acabou sendo anulado pela Justiça Eleitoral.


Segundo o ministro, a passagem de Silas Marques pela prefeitura foi para atender a uma exigência legal, por presidir o Legislativo local, o que não caracteriza um mandato efetivo. Quanto à eleição suplementar, em que o candidato foi eleito, o ministro lembrou que esta terminou sendo cancelada, não produzindo efeito permanente. Diante desse quadro, ele entendeu que Silas tinha condição de elegibilidade para disputar a prefeitura de Vargem em 2016.

EM/JP

Processo relacionado: Respe 15409