Continuidade: Corregedoria Geral da Justiça institui Comissão de Transição para a gestão 2020/2022 - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Lourival Souza: Futuro da mobilidade - segurança, conectividade e compartilhamento

Lourival Souza, engenheiro - Aconteceu nesta quarta-feira (16), o evento realizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ( ...

Portal da Poesia


Portal da Poesia Condenação

Recém saído da puérpera solidão da embriaguez decido:
Aceito as penas que me são impostas.
Não recorrerei da minha condenação.
Serei sacro,
Nunca santo,
Recebo o clausuro que me impuseram.

Claustro e disforme vomitarei as brenhas do tempo.

Se me vergastarem,
Receberei o meu açoite.

Natibundo engulo o celibato que me amealha,
Sucumbo ao esterco dos desejos de Onam.

Se me admoestam,
Afago os sonhos, que são muitos,
Com o desdém da quiromania do passado.

Não choro, não retrocedo, apenas multiplico,
Estendo a ti a minha sentença.

Seremos comparsas coniventes da tua imposição,
tu juíza,
Eu réu, sem direito a absolvição.

Abel Carvalho

Continuidade: Corregedoria Geral da Justiça institui Comissão de Transição para a gestão 2020/2022

Share This

Helena Barbosa, Assecom Corregedoria Justiça - O corregedor-geral da justiça do Maranhão, desembargador Marcelo Carvalho Silva, instituiu uma comissão de transição de gestão, com a finalidade de coordenar a mudança para o início da nova gestão da Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão, previsto para o dia 24 de abril.

Compete à comissão de transição de gestão informar e comunicar ao novo corregedor-geral para o biênio 2020/2022 – desembargador Paulo Velten, eleito no dia 18 de dezembro de 2019 -, todos os dados, projetos, programas e outras informações necessárias para o bom desempenho das atividades do órgão.

Na Portaria -TJ nº 395/2020, o corregedor Marcelo Carvalho Silva considerou a necessidade de garantir, “da melhor maneira possível”, a continuidade das atividades administrativas da Corregedoria Geral da Justiça.
A comissão é presidida pelo Corregedor-Geral da Justiça e composta pelos juízes Raimundo Bogéa, Francisca Galiza, Stela Muniz Braga e Jaqueline Caracas, auxiliares da CGJ; Kariny Reis Bogéa Santos (Planejamento Estratégico); João Francisco Gonçalves Rocha (Juizados Especiais) e Marcelo Silva Moreira (secretaria da CGJ) e pelos servidores Thais Silva Muniz (Administração); Luciana Delfino Braga (Finanças e Pessoal) e Andreia Ferreira de Souza (Chefe de Gabinete).
CNJ - A constituição da Comissão de Transição vai ao encontro dos objetivos da Resolução Nº 95 de 29/10/2009, do Conselho Nacional de Justiça, que trata do processo de transição dos cargos de direção do Poder Judiciário, visando agregar maior eficiência e transparência a esse processo.
Segundo essa norma, a continuidade administrativa é um dos objetivos a serem perseguidos pelo Poder Judiciário e a transição das gestões nos tribunais enseja dificuldades quanto ao acesso às informações essenciais para os planos de ação dos dirigentes eleitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad