Inépcia: gestão dos irmãos Nogueira e controle do deputado Alberto Filho levam o BEC para o fundo do poço - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Rogério Alves: Advogado Carlos Sérgio é recebido em 'live' para discutir 'eleições 2020'.

Rogério Alves, advogado - Recebi em live, na última quarta-feira, dia 8 de julho, em minha página no Youtube, ao advogado Carlos Sérgi...

Portal da Poesia


Portal da Poesia Quantas Poesias?

Quantas poesias faria pra ti na mesma noite?
Todas que o meu amor coubesse...
E nelas realizaria todos os teus sonhos
Os meus sonhos
Os nossos sonhos
Enfim...

Quantas poesias teria feito pra ti se já vivemos juntos?
Todas que o meu amor coubesse em um ano
Em tantos anos que já tivéssemos vividos, assim

Mas seriam poemas de regozijo e alegria
Versos de amor e fantasia
Nunca rimas de dor
Saudade e desespero como agora

Você sempre acaba abandonando alguém
Para ficar com outra pessoa
Dor estranha
Saudade sem nexo
Não querer sair
Não querer ficar

Que confusão lírica
Odisseia de amores perdidos
Ditos como verdadeiros
E silos de dissabores e devaneios

Canção
Caução
Correção inacabada
Vitiligo que nunca escurece
Amor
Amor sem fim
Sem ti
Sentir
Sem mim
Sem tom
Sem sentido
Sem dia
Sem noite
Enfim assim...

Abel Carvalho

Inépcia: gestão dos irmãos Nogueira e controle do deputado Alberto Filho levam o BEC para o fundo do poço

Share This
Baixo clero e eminência parda
Quais laço$ unem o deputado federal José Alberto Oliveira Veloso Filho e o sempre disponível amigo Hermano José Nogueira?
Hermano é diretor financeiro do Bacabal Esporte Clube. Pelo menos dizem isso por aqui. Hermano é irmão do presidente do BEC, Roberto Nogueira, mas ele é responsável todas as definições e decisões que são tomadas no clube. É ele quem contratada e demite, projeta e faz planos para o futuro do clube.
Média: o tiro de Alberto, o Filho,
pode sair pela culatra
Hermano Nogueira representa o BEC oficialmente na FMF e na AMA Clubes. Hermano também representa Alberto, o Filho, em encontros e reuniões políticas, viaja constantemente em sua companhia, como papagaio de pirata sempre se posta estrategicamente atrás do deputado durante as entrevistas para a TV e, faz parte do seu séquito e do seu pequeno grupo de asseclas.
Hermano José Nogueira é o que se chama no jargão popular de “eminência parda”, “o faz tudo”, o “responsável pelas tretas”.
Geladeira...
O deputado federal José Alberto Oliveira Veloso Filho, em 03 anos, não conseguiu deixar de ser membro inferior do chamado baixo clero da câmara baixa do país. Tem atuação parlamentar bisonha e pouco fez, até agora, por sua própria terra natal onde foi aquinhoado com expressiva votação no pleito que o conduziu ao seu primeiro mandato.
Essa trempre, com menos destaque para Roberto Nogueira, mesmo lembrando que foi com o treinador Roberto - mal interpretadamente conhecido como Baresi -, que o BEC desceu uma primeira vez para 2ª divisão do campeonato maranhense de futebol, agora se uniu para dirigir os destinos do primeiro clube do interior a ser campeão maranhense.
... Fogão...
E é sobre essa trempe que repousarão todas as responsabilidades por uma malfadada administração na qual cabem todos os termos pejorativos constantes no mais simples dicionário. Inépcia, incompetência, inabilidade, leniência e, quantos mais existirem são poucos.
Alberto, o Filho, opera no BEC como sócio oculto apoiando e acobertando os Nogueira. Dá uma de bom torcedor assistindo a todos os jogos e, em uma jogada de marketing, se anuncia como o intermediário de ações voltadas para levantar recursos para o clube junto à iniciativa privada e, pasmem, na própria prefeitura dirigida por seu pai.
... E a comida servida na sede do BEC.
Pela mais absoluta falta de transparência não se sabe se esses recursos existem e em qual valor, mas o que se sabe em Bacabal e a triste situação que vivem o clube e os jogadores de uma das mais tradicionais agremiações esportivas desse estado.
Se o ano passado foi um ano triste, de muitas denúncias contra os Nogueira, esse ano elas se multiplicaram. A má campanha no primeiro turno do campeonato maranhense trouxe à baila todas as mazelas que já existiam desde o início da gestão da trempe.
Juarez Alves Almeida,
o fundador.
O time não ganhou um só jogo e até agora só marcou um gol. Os motivos agora vão ficando claro. O primeiro treinador contratado para dirigir o time esse ano foi dispensado sem receber seus direitos e ainda alega que emprestou dinheiro seu para os Nogueiras. Os jogadores que moram na sede vivem em situação de insalubridade e são obrigados a dividir comida. Explicam que no restaurante contratado para servi-los têm que dividir um churrasco entre três.
Alegam também que seus salários estão atrasados e que passam fome nas viagens. Na última partida disputada em Bacabal, contra o Balsas, não iriam entrar em campo, fariam greve. Mas foram convencidos do contrário, jogaram e perderam.
O BEC de Nascimento e Aírton.
Os seis jogadores dispensados com a chegada do novo treinador também não receberam seus direitos. Quatro foram embora com recursos próprios ou pedindo dinheiro emprestado e dois ainda penam por aqui tentando receber seus salários.
A situação é de completo caos. A trempe que hoje dirige o clube não tem a confiança do empresariado local para tentar levantar recursos e patrocínio no comércio e na indústria bacabalense e o BEC ver as portas da segunda divisão se abrirem amplamente.
O BEC de Andrade e Adílio.
Um demérito para um clube que teve sua história construída por Juarez Almeida e por outros grandes nomes como Almiro Paiva, Manoel Neres, Manoel da Conceição, Gilberto Lacerda Guerreiro Júnior, Raimundo Nonato Lisboa e, tantos outros que não me vem à memória... que teve jogadores do quilate de Nascimento, Edson, Espíndola, Pernambuco, Germano, Nabor, Aírton, Zé Augusto, Hidelbrando, Joãozinho, Zé Roberto, Castro, Tião Santos, Cabeça, Sabido, Oliveira Sobrinho e tantos outros que não me vêm agora.
Sérgio Manoel Também jogou no BEC.
Isso é um demérito para o grande Edmílson Santos, popularmente conhecido como Lambal, que foi jogador, treinador, diretor, roupeiro, massagista, médico e campeão maranhense com a ajuda única de um único homem, o hoje senador João Alberto Sousa, bancador e amante do Bacabal.
No início da crise instituiu-se um movimento formado por um grupo de abnegados que sonharam em tirar o clube da grave situação em que ele se encontra hoje. Por obra, graça e proteção de Alberto, o Filho, Hermano e comandita não foram destituídos.
Alberto, o Filho, preferiu destituir toda essa bela história que eu contei.
Aí só me resta repetir a pergunta que eu fiz acima, no início do texto:
Quais laço$ unem o deputado federal José Alberto Oliveira Veloso Filho e o sempre disponível amigo Hermano José Nogueira?
A Maior honra: o BEC Campeão Maranhense.


Um comentário:

  1. kkk.. Alberto, o Filho! Abel descreveu maravilhosamente a atual fase do Bacabal Esporte Clube. Parabéns!

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad