Com ida do deputado Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho, PTB deve sair da coligação com Flávio Dino - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Rogério Alves: Advogado Carlos Sérgio é recebido em 'live' para discutir 'eleições 2020'.

Rogério Alves, advogado - Recebi em live, na última quarta-feira, dia 8 de julho, em minha página no Youtube, ao advogado Carlos Sérgi...

Portal da Poesia


Portal da Poesia Quantas Poesias?

Quantas poesias faria pra ti na mesma noite?
Todas que o meu amor coubesse...
E nelas realizaria todos os teus sonhos
Os meus sonhos
Os nossos sonhos
Enfim...

Quantas poesias teria feito pra ti se já vivemos juntos?
Todas que o meu amor coubesse em um ano
Em tantos anos que já tivéssemos vividos, assim

Mas seriam poemas de regozijo e alegria
Versos de amor e fantasia
Nunca rimas de dor
Saudade e desespero como agora

Você sempre acaba abandonando alguém
Para ficar com outra pessoa
Dor estranha
Saudade sem nexo
Não querer sair
Não querer ficar

Que confusão lírica
Odisseia de amores perdidos
Ditos como verdadeiros
E silos de dissabores e devaneios

Canção
Caução
Correção inacabada
Vitiligo que nunca escurece
Amor
Amor sem fim
Sem ti
Sentir
Sem mim
Sem tom
Sem sentido
Sem dia
Sem noite
Enfim assim...

Abel Carvalho

Com ida do deputado Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho, PTB deve sair da coligação com Flávio Dino

Share This
Aquiles EmirA indicação do deputado federal Pedro Fernandes (foto) para ocupar o Ministério do Trabalho no lugar do também petebista pelo Rio Grande do Sul Ronaldo Nogueira foi recebida com surpresa na tarde desta quarta-feira (27) no Palácio dos Leões, pois isto pode significar a perda de mais uma legenda dos planos do governador Flávio Dino de formar uma ampla aliança com vistas à sua reeleição em 2018.

Pedro Fernandes é pai do vereador Pedro Lucas, que ocupa a presidência da Agência Executiva Metropolitana e sua nomeação foi feita justamente para atrair o PTB, presidido no estado pelo novo ministro, para a coligação com o PCdoB, porém o convite de Michel Temer pode mudar os rumos da sigla trabalhista, até porque Fernandes deve permanecer no governo até 31 de dezembro de 2018, já que não tem pretensões de concorrer à reeleição, abrindo a vaga para o filho.

A garantia de que Pedro Fernandes cumprirá o mandato de ministro até o último dia do governo foi um dos fatores que mais pesaram para a aceitação de Michel Temer à indicação do PTB.


Na condição de ministro, Pedro Fernandes, certamente, não apoiará uma candidatura que é declaradamente contra o governo de Michel Temer e que tem como planos eleger um adversário do Palácio do Planalto, no caso o ex-presidente Lula (PT).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad