Fernando da Luisiana é pré-candidato a vereador - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Manuel da Concórdia comemora admissão da jovem surda Rayane Raquel no quadro de servidores da prefeitura de Bacabal

Com redação de Wanderson Ricardo e fotos de Cléber Lima - O vereador presidente da câmara de Bacabal, Manuel da Concórdia (PDT), publicou e...

Fernando da Luisiana é pré-candidato a vereador

Share This
Fernando da Lusiana tem mais de 20 anos de serviços à comunidade. Fotos: Arquivo pessoal
Nome forte em Bacabal, Fernando confirma pré-candidatura na eleição do pleito municipal marcado para o dia 04 de outubro
Abel Carvalho - O líder campesino Fernando da Lusiana, 34, confirmou, neste fim de semana, sua pré-candidatura a uma das 17 vagas existentes na câmara Municipal de Bacabal. O pleito está marcado para o dia 04 de outubro e Fernando goza de muito prestígio entre as lideranças locais e confidenciou que está conversando com colegas na busca de um entendimento e das necessidades dos moradores nas comunidades da área urbana e rural do município.
Fernando realiza forte trabalho em seu principal reduto,Lusiana, a comunidade que lhe dá o nome, mas também opera nos mais diversos povoados da zona rural bacabalense e tem forte penetração na sede, principalmente em bairros como Tresidela, Areia e Novo Bacabal.
Como fruto seu trabalho de mais de 20 anos o líder campesino desfruta de grande prestígios entre seus liderados sendo presença constante em atos e eventos, a exemplo da solenidade de colação de grau dos pequenos formandos da escola do povoado Pedra do Rumo, onde sua participação foi festejada por professores e alunos.

O porque...
Na disputa por um mandato na Câmara Municipal Fernando se coloca como 'candidato comunitário', em uma tentativa de abertura de canal de maior efetividade para satisfazer as demandas de suas comunidades  - tão pouco urbanizadas, infra-estruturadas e atendidas por serviços essenciais - sob o argumento da necessidade de estar no lócus do poder de aprovação do orçamento municipal. Este fato se constituiu numa novidade sem precedentes na política local.
Ele atesta que anteriormente, os líderes de movimentos e associações populares participavam das eleições na qualidade de porta-vozes de candidatos alheios ou distantes da vida política e das necessidades dos povoados e dos bairros, para os quais obtinham os votos dos vizinhos, fazendo uso de sua popularidade e carisma, papel este conhecido no Brasil sob a expressão cabo eleitoral. Esses líderes que sempre atuaram como intermediários entre a classe política e os eleitores, decidiram renovar sua participação na política institucional, aparentemente substituindo sua típica função de cabo pela de candidato, revela.
"Num esforço de compreensão dessa mudança, questiono se efetivamente esses líderes buscavam um caminho mais eficaz para superar suas habituais reivindicações através da política partidária e particularmente de um mandato de vereador. Indaguei que conseqüências poderiam advir do fato de mesclarem-se as duas formas de participação política, a comunitária e a partidária, no âmbito da luta dos moradores e de outras lutas populares com rebatimento nos povoados e nos bairros da chamada periferia, isso, com respeito às candidaturas com pretensão ao mandato", explicou o líder campesino.
Apoio e incentivo
Filho de tradicional família rural, Fernando Siqueira de Sousa, tem o apoio e o incentivo do político para qual trabalhou, em muitos pleitos, como cabo leitoral, o presidente da câmara municipal de Bacabal, vereador Manuel da Concórdia, e assim como o seu mentor ainda não definiu o partido no qual disputará a eleição, fato que só deverá acontecer à véspera do prazo final para filiação.
O avalista de Fernando, o presidente Manuel da Concórdia, justifica a candidatura do líder campesino explicando que "os políticos comunitários não têm interesse real na política institucional. Seu compromisso é, antes de tudo, com o povoado ou bairro, ao qual dedicam um trabalho abnegado e idealista, manifestando assim seus objetivos: pugnar pela consolidação ou reabilitação urbanística, promover educação e conscientização política e prestar serviços humanitários e assistenciais aos mais carentes. Aqueles que se situavam nesta categoria, exprimiram compreender que a política comunitária é independente da política dos partidos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad