Rogério Alves: Um facista. Ser ou não ser... - Abel Carvalho

Matéria do Dia

Covid-19: 370 mortes em Bacabal.

Portal da Poesia


Portal da Poesia Não sei

Quantas vezes terei que sonhar
Por quanto tempo ainda seguirei
Quantos anos a vida ainda me reserva
Não sei

Não sou tempo
Não sou centro
Sou apenas momento
Início
Meio
Fim

Se ontem sorrir contigo
Hoje te fiz sorrir
Mas antes te fiz infeliz

Vejo teus braços que me abraçam
Sinto teus beijos que me beijam
Sonho teu sonho que não quis

E vivo teu vício a cada noite
Com o açoite do sono que não vem

Brenham horas
Sonhos
Dias
Foge a paz que tu querias
Morre o tédio
Sob a guia
Sossega a ira na fotografia
Meio dia que eu queria
Mas que tu nunca quis

Não sei

Abel Carvalho

Rogério Alves: Um facista. Ser ou não ser...

Share This
Rogério Alves, advogado - Um amigo me perguntou se eu achava que o presidente Bolsonaro era um facista. Respondi que, se ele diz que não é, então não é.
Mas o amigo, que era simpatizante do presidente estava muito intrigado e me perguntou: O que é fascismo?
Fascismo é um regime autoritário criado na Itália, que deriva da palavra italiana fascio, que significa "feixe" e remete para uma "aliança" ou "federação". Trata-se de um movimento político totalitário, que atua contra as liberdades individuais em nome do bem da nação.
- Tá, isso é história, mas porque chamam Bolsonaro de fascista, perguntou meu amigo insistente.
Respondi que atualmente é utilizada como um termo pejorativo para caracterizar pessoas que possuem um posicionamento político autoritário e anti-democrático.
Em geral, são chamados de fascistas todos os que são a favor da restrição de liberdades e da extinção de sua oposição. O termo é usado mesmo que não possuam uma ligação com a ideologia fascista, mas que conjuguem uma ou mais características do fascismo.
Olhando assustado ele me perguntou: que características são essas?
Os regimes fascistas têm, entre as suas principais características:
Valorização do sentimento de nacionalismo, da proteção do país e a defesa da segurança nacional.
Centralização do poder nas mãos de um líder.
Utilização da presença do militarismo e de preceitos religiosos como formas de controle e manipulação da população.
Perseguição e uso de violência contra opositores do regime.
Censura e controle dos meios de comunicação.
Desvalorização e censura à arte.
Ele calado, mudou de assunto e nunca mais falamos nisso.

NÃO É O PRESIDENTE QUE ESTÁ PERDIDO, É VOCÊ.
Moleque, irresponsável, desrespeitoso, falando palavrões em seus discursos, mal-educado, grosseiro, sem personalidade, como não tem mais o Trump como bússola, vai agora de Maduro, tentando transformar o Brasil numa Venezuela de direita.
Mas, provavelmente, você gosta porque aplaudiu o xingamento, achou normal a rachadinha e agora fecha os olhos para os gastos exorbitantes dizendo que tá explicado.
Não é o presidente que está perdido, é você.
Bolsonaro sempre foi um defensor da ditadura, nunca demonstrou nenhum conhecimento de administração pública, sempre diminuiu as mulheres e defendeu privilégios aos militares e talvez às milícias. Você foi quem se iludiu achando que ele iria combater a corrupção e parar a roubalheira. Ele roubou até sua dignidade quando você passou a tratá-lo como “mito” e “ungido”.
Só tem uma diferença entre você e Bolsonaro - você é o dono do poder, ele é apenas o seu eleito. Reflita e acorde. Leia mais artigos do advogado Rogério Alves Clicando AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad