Matéria do dia

Gleydson Santos e as podas de quase 1 milhão de reais: secretário pretende cortar galhos de 8 mil e 600 árvores em 90 dias

A secretaria de meio ambiente de Bacabal, cujo titular é o ex-vereador Gleydson Santos, pretende gastar, em apenas 90 dias, R$ 796.600,00...

Publicidade

Lula afirma ser vítima de "pacto quase diabólico" entre mídia, MP, PF e Moro

UOL em São Paulo

  • Rahel Patrasso/Xinshua
    Lula discursa durante evento de lançamento de campanha em sua defesa em São Paulo
    Lula discursa durante evento de lançamento de campanha em sua defesa em São Paulo
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira (10) que se considera alvo de um "pacto quase diabólico" entre o juiz Sergio Moro, a imprensa, a Polícia Federal e o Ministério Público.

"Há um pacto quase diabólico da imprensa, do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e do Moro contra mim", declarou Lula durante ato em São Paulo convocado por intelectuais e líderes de movimentos políticos, sindicais e sociais.

O ato "Por um Brasil justo para todos e pra Lula", realizado na Casa de Portugal no centro de São Paulo, contou com a presença de correligionários políticos do ex-presidente, atores, escritores, artistas e intelectuais que defendem sua inocência.
"Não me sinto confortável participando de um ato em minha defesa. Eu me sentiria confortável participando de um ato de acusação à força-tarefa da Lava Jato, que está mentindo para a sociedade brasileira", declarou o petista no início de seu discurso.

"Eu quero que eles apresentem uma prova concreta. Não aceito a ideia que a convicção vale como prova", acrescentou Lula, que mais uma vez reiterou sua inocência: "Não cometi nenhum crime antes, durante ou depois de ser presidente da República".

O ex-governante comentou ainda que teria preferido que o ato fosse "menos personalizado" em sua "figura" e se centrasse "mais no nome da democracia, da justiça e dos estudantes que defendem o direito de uma escola livre".

Graças à democracia, segundo Lula, "um índio cocaleiro na Bolívia (Evo Morales), um sindicalista e uma ex-guerrilheira (Dilma Rousseff) no Brasil puderam chegar à Presidência".

"Nosso encontro de hoje pode ser resumido em uma única palavra: democracia. Muitas vidas foram sacrificadas até a Constituição de 1988. Nessas três décadas (de ditadura militar), passamos a compreender o valor da democracia", destacou Lula.