Matéria do dia

Vereador Reginaldo do Posto solicita vistoria do Corpo de Bombeiros nos prédios das escolas da rede municipal de Ensino

O vereador Reginaldo do Posto (PRP) solicitou, através de Indicação que tramitou na última sessão ordinária da câmara municipal de Baca...

Publicidade

PT defende apoio a tucano na Assembleia


Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau

Parte dos petistas é contra a aliança com o PSDB na Assembleia Legislativa de São Paulo. FOTO: JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO© JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO Parte dos petistas é contra a aliança com o PSDB na Assembleia Legislativa de São Paulo. FOTO: JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO
A maioria da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) defende apoio à eleição do tucano Cauê Macris na eleição para a presidência da Casa, marcada para o dia 15 de março. Pelo acordo, o partido, dono da segunda maior bancada, atrás do PSDB, manteria a 1.ª Secretaria, posto que ocupa ininterruptamente desde 2002, e os 57 cargos comissionados vinculados à vaga.
Três dos 16 deputados estaduais petistas, porém, querem levar a decisão para o Diretório Estadual da legenda. Assim, esperam ganhar tempo para mobilizar a militância contra o apoio a Macris. “Cauê e o pai dele (o deputado federal tucano Vanderlei Macris) são conhecidos pela militância antipetista”, disse o deputado José Américo Dias, que integra o grupo dissidente petista, ao lado de Carlos Neder e João Paulo Rillo.
Aos 33 anos, Macris é um dos maiores adversários do PT no Estado. Em setembro do ano passado, o deputado publicou artigo no jornal Folha de S. Paulo, no qual diz que o “PT e seus associados”, entre eles, a União Nacional dos Estudantes (UNE), a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), “agem como um bandido que, ao furtar a carteira de alguém, grita ‘pega ladrão’”.
Proporcionalidade. O líder do PT na Assembleia Legislativa, José Zico Prado, disse que a decisão da bancada ainda não foi tomada, mas confirmou que a maioria defende o apoio ao tucano. “Ainda não tem uma posição, mas a maioria defende a proporcionalidade garantida nas urnas”, afirmou.
Proporcionalidade é o critério pelo qual são escolhidos os cargos na Mesa Diretora da Alesp. Graças a isso, o PT tem mantido a 1.ª Secretaria, posto mais importante depois da presidência.
A 1.ª Secretaria tem, atualmente, 57 pessoas ocupando cargos de comissão. O líder do PT, no entanto, nega que o objetivo da aliança seja a obtenção de empregos.
“Estamos discutindo a participação em comissões e outros postos que nos permitam fazer oposição ao governo Alckmin.” Os “rebeldes” da bancada petista contestam o argumento. “O PT só tem este aparato porque faz oposição conciliadora”, afirmou o deputado Rillo.
'Bloquinho'. O PT tem duas alternativas ao apoio ao tucano. A primeira é a construção de um bloco de esquerda, junto com PDT e PSOL, sem chance de vitória. A outra é apoiar um nome do “bloquinho”, formado por PSB, PV, PPS, PR, PSC, PTN, PSL, PP e PEN, que avalia lançar como candidato o deputado Carlos César (PSB).
“O ‘bloquinho’ tem até 29 votos. Com os 16 do PT, poderia haver um ‘efeito manada’, já que o nome de (Cauê) Macris não é bem-visto. Ele é muito dependente do Alckmin. Se o governador já não atende os deputados, imagine com um presidente sem autonomia”, disse José Américo.
Deputados tucanos dão como certa a manutenção do acordo histórico entre DEM, PSDB e PT. A aliança, porém, desagrada à parte da bancada. “Eu não faria um acordo com o PT, mas essa é opção do candidato. Precisamos mudar a história da Assembleia. Esse acordo tem de acabar”, disse o deputado Carlos Pignatari, líder do PSDB na Assembleia.