Matéria do dia

Rogério Alves: Vamos salvar o Brasil sem buscar salvadores

Por Rogério Alves Advogado O governo Temer representa o fim (ou a continuidade) do grupo corrupto que governa o Brasil desde 2008 e é preci...

Publicidade

Antônio Melo: dançando conforme a música


Antônio Melo
jornalista


Todos queremos acabar com a corrupção, punir de forma exemplar quem corrompe e os corrompidos. Mas, basta ler um pouco o que se escreve nas redes sociais para entender que não é bem assim.


Para uns, Lula é a Geni brasileira. Tudo de ruim que acontece neste país é culpa dele ou, quando não, do partido dele. Para outros, é o salvador da pátria. Nada de bom aconteceu aqui antes de Lula ou do PT. E os dois lados se acusam mutuamente a cada post -entre fotos de família, do cachorro, do netinho ou daquela viagem inesquecível- na disputa do campeonato da corrupção nos "gramados" da internet que vai separando amigos, dividindo famílias, misturando-se com as obras-primas da nossa música que tão bem recontam a nossa historia.

Roda mundo, roda gigante...
Enquanto essa discussão inconclusiva se estende, ainda alimentada no que resta da fogueira da corrupção desmedida da Petrobras que quase incinerou completamente o PT, uma outra fogueira lança lavaredas poderosas em direção aos ninhos tucanos. E já pôs fogo em um dos seus mais brilhantes exemplares e sua obra: José Serra e seu governo, em São Paulo. Um ex-auxiliar do tucano, responsável pelas obras de infraestrutura do estado, contou, ou cantou, para procuradores que distribuiu mais de 100 milhões de reais em propinas durante o período em que Serra era governador, só através do Dersa, a estatal de infraestrutura do governo bandeirante. Agora, está sendo anunciada a delação de Paulo Preto, o chamado homem-bomba, que vai abranger o período Serra e, também, o primeiro governo Geraldo Alckmin, conhecido no mundo dos delatores e no jargão da corrupção como “o Santo”. Haja música para o pássaro cantar.

Lá vai o Brasil, descendo a ladeira...
As penas que tem saído, do repertório de Curitiba, ao invés de obras-primas, têm sido frustrantes. Delatores que distribuíram bilhões em propinas, foram punidos pelo midiático Sérgio Moro, com sete anos e meio de prisão, igual à mulher de Brazlândia, periferia de São Paulo que roubou quatro pacotinhos de fraldas e deu um prejuízo de 150 reais a um supermercado. A diferença é que ela cumpriu seis, dos sete anos e meio, a que foi condenada, na detenção. Eles vão cumprir, na pior das hipóteses, dois e meio de cadeia, o restante, em casa.


Ninguém tem dúvida que é preciso acabar com a corrupção, mas não com as empresas. O que se sabe, até agora, como consequência, é que grandes obras que vinham sendo tocadas por elas estão paralisadas. E o pior -o jornal O Globo publicou- que o orçamento desses empreendimentos, que estão parados, foram duplicados. E quem vai pagar isso, você sabe, seremos nós. Portanto, prepare o bolso.


Na outra ponta, a Petrobras está vendendo vários de seus ativos, incluindo alguns dos melhores campos do pré-sal a multinacionais petrolíferas estrangeiras, na bacia das almas.

Segue a música contando a nossa história.

Quando o apito, da fábrica de tecidos...
Até bem pouco tempo atrás, os empregados domésticos trabalhavam num regime muito próximo ao da escravidão. Despedidos do emprego, não tinham direito a nada. Isso acabou, para desespero de muitos patrões. Agora são trabalhadores iguais aos outros. A mesma coisa aconteceu no meio rural com os vaqueiros, antes explorados da mesma forma.


Mas o trabalho análogo ao escravo ainda existe. Em algumas usinas de açúcar, principalmente na região de Ribeirão Preto (SP). Também empreiteiras pelo interior do país, abusam dos direitos do trabalhador, transformando-os em escravos brancos, negros e mulatos do século XX/XXI. Para surpresa de muitos, o Ministério do Trabalho recorreu contra a divulgação da chamada "Lista Suja do Trabalho Escravo no Brasil". Ou seja, criado para proteger o trabalho e o emprego, o MT está agora acoitando os maus patrões. E, para completar, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, diz que a Justiça do Trabalho não deveria nem existir. Dá pra entender? Coitado do trabalhador.
Solta música, pra não chorar.

Amélia é que era mulher de verdade...
Completando a semana, nosso presidente congressual, Michel Temer, destacou "seguramente" o papel da mulher "na educação dos filhos e naquilo que ela faz pela casa". E também "no controle dos preços, quando vai ao supermercado". E só.


Frase da jornalista Tânia Fusco, ex-Jornal do Brasil, depois da homenagem presidencial: sinto-me rebaixada ao século XIX, XVIII, XVII, XVI, XV...
E mais não disse. Nem precisava.


1 comentários:

Harmonia política... [PÓLIS = cidade]
__________
CROWDFUNDING & o João-Santana-o-Milionário (o dragão e o corvo)
__________
O PT não vive de projeto, mas de publicidade. A mídia do Petismo enganando votantes via mitologia, pseudo-ideologia dita de esquerda, jornalismo "pela metade" e propaganda digital.

Crowdfunding para PeTê e seus satélites pra Nossa deusa Brega Coração Valente© viajar de avião, (como no ano 2016).

Seguimos PETISMO, cegamente. Seus dogmas verdadeiros, anti-alienação:

a saber, «casa grande & Senzala»; «Pronatec»; «mídia hegemônica»; «é gópi, é gópi, é gópi»; «ilegítimo [Temer]»; «midiota»; «20 milhões na classe média»; «fascista»; «sem crime de responsabilidade»; «velha mídia»; «coxinha»; ; «mídia hegemônica» [espécie de demoninho ou capetinha muito danoso a religião do Petismo]; «Rede Globo é golpista»; «PiG»; «Estados Unidos, o Império»; «mídia golpista» etc. etc. etc. etc. — esses são todos os nossos sábios dogmas do PETISMO!
Devemos repeti-los como papagaio.

Balas