Matéria do dia

Sexta-feira começa a 18ª edição do Bacabal Folia

O evento inicia com Bell Marques, Durval Lelys e Dorgival Dantas na sexta-feira, dia 28 de julho na cidade de Bacabal (MA). Da redação do J...

Publicidade

STF reconheceu que afastamento de Aécio foi indevido, diz presidente do Conselho de Ética


Senador João Alberto deve definir nesta terça-feira data da sessão para recurso da oposição

POR MARIA LIMA

O senador João Alberto Souza (PMDB-MA), durante sessão deliberativa, no plenário do Senado - Waldemir Barreto/Agência Senado/23-05-2017.

BRASÍLIA - O presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto (PMDB-MA), disse nesta segunda-feira que vai se reunir amanhã com o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para definir a data da sessão do órgão para deliberar sobre o recurso da oposição contra o arquivamento da representação do PSOL-Rede pedindo a cassação do mandato do senador Aécio Neves(PSDB-MG).

Monocraticamente João Alberto arquivou a representação, mas o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), com o apoio de cinco titulares do Conselho, ingressou com recurso ao plenário para que a decisão seja revista.

João Alberto diz que a decisão do ministro Marco Aurélio Mello (STF), de devolver o mandato de Aécio, nada tem a ver com o processo de cassação no Conselho. Mas é um reconhecimento de que o afastamento foi indevido.

— A decisão do Supremo nada tem a ver com o processo do Conselho e mostra a independência dos poderes. Mas foi um ponto positivo o Supremo, na origem , reconhecer que o afastamento do mandato foi indevido por não ter previsão constitucional — disse João Alberto.

Semana passada João Alberto foi internado as pressas e se submeteu a uma intervenção no coração para colocação de uma ponte de safena. Hoje ele esteve no Senado, presidiu a sessão, mas já voltou para casa.

— Vou discutir essa data com o presidente Eunício. Logo daremos uma solução para isso . O médico disse para eu ficar de repouso, mas que eu precisava caminhar. Já estou no caminho de casa de novo — disse João Alberto, dizendo que não conversou com nenhum membro do Conselho sobre o processo.